Conheça alguns dos tipos de música eletrônica

Foto: Hardwell/ Facebook

Quando falamos de e-music, ou música eletrônica, em português, existem diversos estilos musicais variando desde o ritmo das batidas, a voz e sua frequência. Aqui nós vamos apresentar um pouco mais sobre cada uma delas para você entender de uma vez por todas qual o real estilo da música que não sai da sua cabeça.

As vertentes mais conhecidas da música eletrônica são o House, Techno, Disco, Deep House, Electro House, Progressive House, Trance, Trap, Drum and bass e Dubstep. Mas, isso não quer dizer que existem somente esses. A lista é tão grande que você ficaria horas e horas aqui lendo. A e-music cada vez mais se espalha pelo mundo e se funde com as culturas existentes, criando e inovando os antigos conceitos. Os DJs mais famosos na cena da e-music atual são Hardwell, Diplo, Swedish House Mafia, Avicii , Alesso, Martin Garrix, Afrojack, R3hab, Skrillex, entre outros.

House

Antes de qualquer coisa é preciso entender que há o House das pistas, que normalmente são sem vocais, e aquele mais comercial, os famosos que tocam nas rádios. Ambos são House – também conhecido como Dance Music. O House Music influenciou extremamente todos os outros gêneros que surgiram depois. É o estilo mais flexível da e-music e permite fusões com outros gêneros, possuindo vertentes como Progressive House, Deep House, Electro House. Calma que a gente vai explicar cada uma também.

Aqui vai um set que rolou na festa Houseira, no Club Jerome, com os DJs Mau Mau e Roque Castro:

Techno

Muitos acham que é sinônimo de música eletrônica. Não é. Trata-se de um gênero mais pesado – uma variação do House – com batidas menos suaves e mais mecânicas, sendo considerada mais “dançante”. No Techno é comum o uso de sons que vão desde sirenes e barulhos que lembram um bate estaca de fábricas, a samplers de diálogos de filmes. É aquela famosa batida computadorizada. Os três pioneiros foram Derrick May, Kevin Saunderson e Juan Atkins. Uma das que trazem atualmente, e às vezes também toca no Club Jerome, é a DJ Cashu.

Drum and bass

Esse ficou super popular no Brasil. O Drum’n’bass é aquele eletrônico pauleira, com batidas rápidas, próximas a 170 BPM. Também abreviado como D&B, DnB, é um estilo de música eletrônica que surgiu na metade dos anos 90 na Inglaterra. Nele predominam as linhas de baixo e bateria. Deixe de lado aquele o “tutz-tutz” do House, aqui as batidas são bem graves. O DJ Marky, para muitos o Pelé entre os DJs brasileiros e já tocou no Club Jerome, foi um dos principais responsáveis pela popularização do ritmo no mundo todo.

Trance

Essa é uma das principais vertentes da e-music e surgiu bem no início da década de 1990. O gênero é caracterizado pelas batidas entre 130 e 190 bpm, com partes melódicas de sintetizador e uma forma musical progressiva durante a composição. O estilo é derivado do house e do techno, com seus sons industriais, que parecem menos melódicos.

Tiesto é um dos DJs que representa essa vertente, aqui vai um set dele na Ultra Music Miami, em 2017:

Electrohouse

Hoje, o Electro que cativa mudou bastante e se assemelha bastante ao House Progressivo. Diferente desse, pesa mais nos graves, principalmente no drop da música eletrônica. Martin Garrix, Hardwell, Afrojack, R3hab são alguns dos atuantes com maior relevância em toda DJ Mag. Além deles, é bom lembrar uma boa época do Dada Life e de Hoaxx, que trazem o Electro cru, sem muitas progressões e com estrutura bastante rasgada.

Disco

A old sister da música eletrônica é a Disco Music, que tem lá pelos seus 40 ou 50 anos. Desde o recente estouro do EDM, os artistas vem tentando resgatar elementos orgânicos dessa época para trazer de volta o ritmo e a dança para as pistas. Daft Punk e Breakbot são os que mais dentro dessa missão. Para Johnny Luxo, DJ residente do Club Jerome, “É da disco que vem grande parte da inspiração para os outros gêneros da música eletrônica. A trilha internacional da novela Dancin Days foi meu primeiro vinil. Disco é o meu gênero preferido desde criança”.

Trap

O Trap veio como o avesso do Dubstep. Ele preza mais os agudos ao invés dos graves, diferente de outros gêneros que você viu aqui. Hoje é um dos que mais cresce em toda cena da e-music, podemos ver com o sucesso de Diplo, Dillon Francis, RL Grime, Baauer e GTA. 

Deep House

Sem dúvidas, esse é o gênero mais falado dentro da EDM. O Deep House se originou na década de 80 com a fusão de elementos musicais do Chicago House, Detroit Techno, Jazz e Funk (não do funk carioca, do funk original). Ele é mais suave que as outras vertentes do House. Tem grandes nomes como Dirtybird, Hot Creations, Jamie Jones, Lee Foss, Infitiny Ink, Miguel Campbell, Digitaria, Justin Martin e sem esquecer o incrível Solomun.

House Progressivo

O estilo veio ainda antes de todo estouro do EDM, lá no início dos anos 1990, e teve um empurrãozinho dos grandes Swedish House Mafia e Avicii. Desde então, o House Progressivo, junto do Electro House, é um dos maiores gêneros na indústria da e-music. Atualmente, os artistas que contribuem para a sobrevivência desse som são Steve Angello, Kaskade, Alesso, entre outros.

Dubstep

Depois de um barulho todo, o gênero começou a dar espaço para outros gêneros. Skrillex, o rei do gênero, trouxe o Dubstep para o mainstream e popularizou o que Rusko fazia há tempos de forma mais industrial e pouco agradável para os nossos ouvidos. Nero é um dos duos de maior respeito no estilo. Há artistas do gênero  como Martin Garrix, Afrojack, R3hab, Skrillex.

Deixe uma resposta

Baixe a segunda edição da Revista Clubbing

Vai chegar no seu email!

X