DJ dos clubes Yacht e Lions, Victor Vieira solta novo set e conta sobre seus projetos

 

DJ residente de casas noturnas de intensa relevância entre as festas de São Paulo – duas delas sendo as 

maravilhosas Club Yacht e Lions NightclubVictor Vieira está a todo vapor na noite paulistana desde 2000. Preparando-se para reviver a noite de música de funk Baile-X, o DJ estreia novo set de música pop e aproveitamos para conversar sobre toda a história do moço nas pickups – que inclui uma noite ao lado de ninguém mais ninguém menos que Bono Vox – e seus próximos passos.

You better work

Victor Vieira hoje atua como DJ, especialmente de música pop e funk, e também como produtor de festas como a POP, noite mensal do Bar de Cima, mas não é da noite para o dia que as coisas acontecem. Antes de projetar o conceito de festas de baladas de São Paulo e despertar aquele fogo na raba de quem tá na pista, ele foi promoter, barman e chegou a gerenciar casas antes de aventurar-se nas criações de setlists.  

Quais os momentos mais marcantes da sua carreira?

Foram muitos! Lembro muito bem do dia em que toquei na festa do Bono Vox e ele ficou do meu lado na cabine prestando atenção no que eu fazia. Tão especial quanto foi poder tocar a primeira vez na Parada LGBTQ+ para milhões de pessoas! Saber que SP tem a maior parada do mundo e ter feito parte disso é algo sensacional! O mar de gente visto de cima do trio elétrico é uma visão inesquecível.

Também, no carnaval desse ano, eu toquei pela primeira vez no Carnaval de São Paulo no Bloco da Xuca Feita no Largo da Batata com dezenas de milhares de pessoas pulando na minha frente e dançando ao som do meu set. Foi uma sensação indescritível e muito emocionante!

Está trabalhando em novos projetos no momento?

Atualmente, o meu partner in crime, Felipe Rosa, e eu produzimos a POP (um projeto que tem como objetivo animar a galera da pista com os hits de todas as gerações do gênero de música que dá nome à festa) e o Baile-X (uma festa assumidamente de funk, focada em fazer todo mundo dançar até o chão).

Também sou residente mensal das festas Shout e Ultralions, no Club Yacht e no Lions Nightclub respectivamente. E, quando não estou nesses lugares, vocês podem me encontrar em algum lugar da noite de SP tocando em outros clubes ou curtindo as festas de amigos. Quando eu consigo arranjar um tempo durante o dia, gosto de ficar em casa tocando e gravando os meus próprios sets para divulgar o meu trabalho na minha página no Mixcloud.

Além disso, estou começando uma história de produzir meus próprios remixes, mas isso eu conto mais pra frente.

Quais os maiores desafios enfrentou na sua carreira?

Acredito que o começo de tudo é aquela dúvida que dá de “será que eu estou no caminho certo?”. Não que eu não soubesse que queria ser DJ, porque sempre amei muito a música  (praticamente a respiro), mas aquele frio na barriga de trilhar um caminho que não tinha nada certo para mim no momento em que iniciei. Então, o mais difícil foi tomar coragem, fechar os olhos, deixar de lado algumas coisas que já me eram garantidas e começar praticamente do zero a criar um nome para mim. Daí em diante, foi (e continua sendo) muito trabalho duro, abraçar cada oportunidade dada, estudo, atualização e fazer sempre o melhor possível. A noite exige comprometimento, dedicação e, principalmente, respeito com quem te contrata e com o público está ali na pista querendo se divertir.

Há algo que gostaria de acrescentar?

Primeiro, gostaria de agradecer a toda equipe Clubbing pela entrevista e, também, dizer que não percam a volta do Baile-X no dia 02/08! Se não forem, depois, não adianta falar que eu não avisei.

 

A volta do Baile-X vai acontecer lá no edifício Tokyo, no dia 2. Fique de olho na agenda Clubbing para não perder essa e outras noites bafo. Também não esqueça de colocar seu nome nas listas com descontos e benefícios exclusivos para o Club Yacht, quem sabe você não encontra o Victor por lá?

Deixe uma resposta

Baixe a segunda edição da Revista Clubbing

Vai chegar no seu email!

X