Há 5 anos o álbum Beyoncé mudava os lançamentos de toda a indústria!

Reprodução do Facebook da artista

Me desculpa Jay Z, mas hoje o biscoito vai todo pra ela. Recentemente Beyoncé arrasou nossos corações com mostrando um visual impecável para se apresentar num casamento riquíssimo na Índia. Dias depois, ela volta a ser exaltada, mas hoje pelo aniversário de seu disco que mudou (e muito!) a indústria pop: o álbum Beyoncé!

Lançado há 5 anos, no dia 13 de dezembro de 2013, o álbum foi uma experimentação em diversos aspectos. Além de apresentar uma forte identidade visual – do início ao fim – foi uma revolução comercial e marcou toda a indústria fonográfica.

É influência que chama, viu?

Desde que o álbum Beyoncé foi silenciosa e surpreendentemente disponibilizado, uma tendência era instaurada: vários discos chegaram ao público da mesma forma depois do pioneirismo da fada. Não se satisfez com uma única tendência? O álbum também marcou a indústria e o público por ser todo visual, trazer imagens de momentos pessoais e de parceria entre Beyoncé e Jay Z. Desde então os álbuns visuais se tornaram bem frequentes.

Além da gata ter mandado um grande f0d4-$% para as típicas estratégias de divulgação praticadas no meio musical, ela ainda cantou sobre isso. Em “Haunted” Beyoncé não esconde seu desconforto com a estrutura da indústria da qual é parte e falou a real sem rodeios com o verso “eu não confio nessas gravadoras”. Uma fada que se posiciona na vida, não é mesmo?

Beyoncé e Jay Z

Um dos hits do álbum, “Drunk In Love”, conta com a participação do marido da Beyoncé e rapper Jay Z. A música mostrou bastante sintonia entre o casal, o que explica o alvoroço que o álbum Lemonade causou em 2016, quando a artista abriu o jogo sobre já ter sido traída. A música da Beyoncé também causou muita polêmico pelos versos do marido, que fez referência a um dos episódios de violência doméstica de Ike Turner contra Tina Turner.

Beyoncé e o Feminismo

O álbum Beyoncé também mostrou ao mundo a conscientização da artista em relação a temas mais politizados como o movimento feminista. Através da música “***Flawless” ela se declarou feminista e até utilizou samples de um discurso da escritora e ativista Chimamanda Ngozi Adichie. A faixa ainda rendeu uma versão 2.0 bem delícia com Nicki Minaj.

O álbum trouxe muitas facetas da artista, além de ter reafirmado a sintonia que existia entre Beyoncé e Jay Z, como falamos. Mas o maior feito das músicas da Beyoncé presentes no álbum, talvez tenha sido mostrar o poder dela como artista e posicioná-la como uma pessoa que ficou maior do que a própria indústria da qual faz parte. Ou, pelo menos, tão grande quanto. Gostou de relembrar esse discão da porra? Então vem fazer nosso teste e descobrir qual Bey você é:

Deixe uma resposta

Baixe a segunda edição da Revista Clubbing

Vai chegar no seu email!

X